quinta-feira, 17 de junho de 2010

Ela reflete EU




Sorriso, olho em seus olhos, sorriso

Não consigo acompanhar sua dança

Envolvo-te em meus braços

Meus mistérios invisíveis que você enxerga

Agulha e linha, você pôs-se a costurar as fissuras

Com suas palavras acalma

Bisturi que corta a superfície

Não deixa a alma se infeccionar

Mãos firmes que gostam de afagar

Certo poeta falava:

“é preciso amar...”

As pessoas sem ter medo de se entregar

Muitas dores, culpas, traumas

Mentes perdidas ao léu de suas existências

Você enxerga o que o microscópio nao encontra

Fragmentos que se espalha no ser

Cose esse tecido do espírito

Abalado ele esta, se torna contrito

E você ainda o ama em meio o atrito

Tinta, pena, folhas e descrição

Tudo escrevo por querer reler este

Tão ínfimo ser que se liberta

De si para observar-se

Olhar nos olhos deste homem face a face...


Nenhum comentário:

Postar um comentário